(14) 99695-3366
ADVOGADOS EMPREENDEDORES

ADVOGADOS EMPREENDEDORES

O mercado de trabalho para advogados, geralmente, se resume a três principais atividades: a atuação em corporações, disputa de vagas em concursos públicos e – o sonho mais frequente com a conquista do registro na OAB – colocar banca, e estar à frente de um escritório de advocacia. Para quem escolhe a terceira opção, não basta ser um advogado atento à jurisprudência. O desafio inclui competências que nem sempre vêm no pacote da formação acadêmica do Direito: gestão, marketing, atendimento, manutenção de clientes, controle de prazos, sem falar na necessária atualização de informações jurídicas que a área sempre requer. Em um mercado altamente competitivo, como ser advogado e ao mesmo tempo gestor de um empreendimento que está apenas começando ou já iniciado e que precisa ir mais longe? O equilíbrio entre gestão e atuação no direito Em termos gerais, o direito é o negócio; a gestão é o meio. No passado, quando grandes escritórios eram transferidos de geração a geração, como tradição de família, o conhecimento gerencial parecia quase natural. Atualmente, em um mercado concorrido e altamente especializado, a gestão eficiente é mais que um diferencial; ela pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso do empreendimento. A palavra empreendedorismo não costuma ser automaticamente associada à área jurídica, mas para prosperar à frente de um escritório, é preciso adotar uma mentalidade empreendedora, contando com uma base de negócio bem estruturada. E para crescer, a solução não está necessariamente na criação de novos departamentos e contratação de mais pessoas. Se o cumprimento dos prazos gera preocupação, se há dificuldades para manter a equipe engajada, falta organização financeira e ainda existe baixa procura pelos serviços, o escritório pode estar sofrendo as consequências de falhas na gestão jurídica estratégica. As lawtechs são empresas que se dedicam à pesquisa e desenvolvimento de produtos que trazem soluções para problemas enfrentados por advogados e demais trabalhadores do universo jurídico. Um dos recursos desenvolvidos que mais impactam o trabalho de gestão atualmente é o software jurídico. Os sistemas permitem profissionalizar todas as etapas da rotina dos escritórios, fazendo com que o gestor consiga dedicar esforço estratégico para fazer seu negócio prosperar. Softwares ajudam a aumentar a eficiência da gestão A eficiência é sempre uma prioridade para os negócios, especialmente aqueles de prestação de serviços, como é o caso dos escritórios de advocacia. Nesse cenário, os softwares jurídicos desempenham um papel importante, como ferramenta de gestão que permite organizar todo o fluxo de trabalho do escritório, tornando o trabalho mais eficiente. Inicialmente, por criar um ambiente de trabalho online e acessível, permite que o escritório abandone volumes de papéis, pastas e pilhas de documentos físicos. Um recurso extremamente importante para o gestor é a utilização dos softwares para delegar tarefas. A ferramenta profissionaliza a delegação de atribuições, permitindo ao gestor criar atividades, estabelecer responsáveis, prazos e acompanhar a execução do trabalho. Esse controle macro colabora para que haja equilíbrio na distribuição de trabalho, evitando sobrecargas. Outra aplicação crucial favorece o acompanhamento dos prazos processuais de forma automatizada. Além de fazer a busca automática de processos em sites de tribunais e Diários Oficiais, o sistema envia alertas para os responsáveis pelas tarefas que merecem atenção, evitando que a equipe perca prazos. Assim, o time pode organizar melhor seu tempo em relação às demandas e às prioridades dos processos. A tecnologia torna-se uma aliada do advogado empreendedor também nas atividades de relacionamento com o cliente. Um bom software jurídico traz recursos para melhorar todas as etapas do atendimento, da prospecção até a fidelização. Os mais completos contam com área do cliente, na qual o contratante consegue obter informações atualizadas sobre seu caso sem a necessidade de contatar o escritório. Além disso, por concentrarem todos os registros de forma organizada em um mesmo lugar, permitem que a equipe tenha sempre em mãos o histórico de todos os clientes quando precisarem. Despesa versus investimento em tecnologia. A incorporação da tecnologia não deve ser considerada como uma simples despesa, mas deve ser encarada como um investimento em uma ferramenta para a criação de diferenciais em um mercado concorrido. Há uma série de ferramentas disponíveis no mercado atualmente, por isso, escolher o melhor software jurídico é uma tarefa que deve exigir tempo e atenção. Antes de mais nada, é preciso avaliar quais são problemas que devem ser resolvidos no escritório para então investigar se o sistema possui as funcionalidades necessárias para melhorar os pontos levantados. E em relação ao processo de compra, além de analisar a relação custo benefício, deve-se levar em conta se o software dispõe de bom suporte e canais de atendimento.

Compartilhar isso

comentário